20 de dez de 2011
Descobrindo o sentido da cumplicidade
Busquei sentir que lamento
Não desaguei o pranto de minha mocidade
Como outrora insistia
Deve ser o peso da cruz que invade
Toda minha personalidade ingrata
Passos lentos me levam à santa cidade
Tão morosamente me levanto de minha ignorância
Não sei se dentro ou fora é mais escuro 
Minha felicidade, abro mão
Minha fé, abro mão
Conhecendo-me descubro que nada é verdade
Senão o que sinto dentro
O que vejo se difere de como os outros vêem
Já não sinto igualdade
E o pensamento se eletrifica rumo à santa cidade
Será que lá tem misérias ou iguais equidades
Me disseram que o dono que comanda tudo
Não é bom, ele é justo.

0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos