23 de ago de 2012

Correr de quem é forte
Sorrir, mesmo da morte
Eu me engano

Palavras sem sentido
Sussurros no ouvido
Eu me entrego

Cantar velhas canções
Chorar em meus rincões
Abandono

Saltar o obstáculo
Sorrir, mesmo estático
Enriqueço

Cuspir no mesmo prato
Corresponder ao fato
Empobreço

Usar o corpo aberto
Fechado em manifesto
Eu te ganho

Não ter nenhum problema
Sarar os meus edemas
Mentalizo

Subir quando estou fraco
Até chegar ao marco
Eu duvido

O dinheiro me falta
A culpa interna mata
Quando omito

E não vou para casa
Memória fica rasa
Eu confesso

Honrar a distinção
Matar, ferir o irmão
Desonesto

0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos