7 de set de 2012
Amaria sem razão, até sem medo
Espero que não se limite algum desejo
E o peito espera dos ares, alento
Da vida, mais um tempo

Se não me falha a memória

Ainda ontem, ouvi a história
De um andarilho, aos topos bêbado:

Quantas mulheres me amariam

Se não soubessem meus segredos
Levo no corpo a chaga impressa
Na alma o preço que tem pressa
Julgar quem presta ou não presta
De fato, o que de mim, me resta?
Enfrento a mágoa e o abandono!



E desde aí, meio sem jeito
Eu descobri que amar sem medo
É para alguns filosofia
Amor é dom ou brota ao peito
Igual semente, algum conceito
Alguém aí, responderia?

Por isso, assim

Com todo o jeito
E mesmo nu, perco o direito
De ausentar-me em minha sorte
Antes de amar ou ser amado
O homem quer ser respeitado
Deseja vida mais que a morte

0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos