10 de fev de 2013
Para de desobediência
A carne dependurada no osso
Autoridade que desconheço
Moralidade é o meu desgosto
Osso de pedra
Deixa de reza
Fé na medida
Alma desnaturalizada 
Calma e se reponha
Não há felicidade sem fim
Quando finais me deixam triste
E me calo pra não desalmar
Me entrego só um pouco
Resisto até sangrar
Prefiro a escolha
Que a determinação
Escolho a droga
Que um mero pedaço de pão
Me jogo sem medo
Que o poço é raso
A vida me ensinou a dizer não
E ficar acuado




0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos