26 de nov de 2013
para acender a fé restou-me um pavio/ vou reaver o que roubaste-me aqui dentro/ o que conduz a tua vida é um desvio /a assinatura vil do teu comportamento // meus sentimentos andam todos por um fio/ mentir não causa-lhe qualquer constrangimento/ toda fraqueza precisa de um desafio/ sua cabeça não sabe o que é lamento// em seu destino o bem é seu adversário/  quem assim nasce fatalmente assim morre/ não há resposta para o seu imaginário/ destruição por onde o seu rio corre// pra maltratar tem um requinte no seu jeito/ faz qualquer coisa, seu prazer é ao contrário/ e se alegra quando deixa o mal feito/ mentir pra ele é seu pão e seu salário// feito doença falta-lhe a empatia/ não tem valor que aterrize em sua cabeça/ vou me afastar enquanto a noite vira dia/ para que o seu mal em mim desapareça/

0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos