18 de abr de 2015
A racionalidade não garantiu uma ruptura com as aspirações do homem externas a ele. Afinal, o que seria do respiro, não fosse o ar? Talvez nos moldaria deus de uma outra maneira. 
Agora, o que é prerrogativa de um conhecimento puro? A definição do que somos perpassa a definição de como pensamos. Então, o conceito de verdade deveria ser algo inerente ao homem que pensa, não uma imposição da linguagem  travestida de uma roupagem meramente moral. A regulação só poderia ser algo do homem para ele, não uma subordinação ao ego de deus. Desde os mitos, fica claro que deuses imitam sentimentos humanos, seja na forma mais fundamentalista até nas mais liberais e ditas renovadoras.


0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos