30 de jul de 2012
E o medo fez outro refém: o tempo
E na estatura dos ventos perambulam pensamentos
Numa mania de deixar maiúsculo, o começo dos versos
E no estrato dos meus atos
Estampam-se retratos na parede bege

Não me venha com franqueza
Deixe-me às fraquezas de meu sentimento nu

Dublo a fala
Driblo o espírito
E deus, lá do alto se confunde
E novamente, o julgamento é adiado

Faltam-lhe provas
E, em qualquer memória bege
A parede de meu crime corrói o dolo
Imita o sangue
Desiste da pujança
De resto, a esperança
Sobra-lhe

A verdade não sabe qual posto assumir
Em passos curtos, deixou o pedestal rumo ao espelho
Viu refletido seu erro
E de fim, o umbigo
Desatou-se do feto
E o filho, ao mundo se entregou

Guiava-se. Não pela verdade
Entregava-se a qualquer vaidade
Que lhe parecesse amistosa

Provara do sonho
Da finitude do ato
E fora julgado segundo sua loucura
Fantasia, procura
De cada insanidade, fora julgado

E no fim a verdade velada no íntimo
Deu razão ao maiúsculo dos meus versos
E a memória persuadida ficou estampada
Recolhida, enfeitada
Nos retratos na parede bege

0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos