3 de nov de 2013
vai,
vai passar
esse rio tem águas tão turvas correndo pro mar
a paisagem se esconde na curva, a saudade também
na encosta ficam os meus medos, juízos sem fim
no começo invisto em valores maiores que eu
pra depois me vender pelas flores, roubar teu perdão
sentimento de náusea eu crio, e lhe tenho aos meus pés
de presente lhe dou um afeto ou qualquer coisa assim
uns enganos que deus desconfia que exista amor
vai,
vai passar
no embate minha solidão se quebrou na parede
em teu pé está minha cabeça, quiçá a vaidade
mera calma, vontade tão rara de romper a luz
em teu seio navego no meio desse meio tom
é que não sei lidar com verdade e imaginação
eu primeiro te tomo, te nego, disfarço o porvir
com certeza, sutil na frieza da calma de impor
pra depois de sorrir e chorar, eu me deite no chão








0 comentários:

Seguidores

Acessos

Marcio Lima. Tecnologia do Blogger.

+ Vistos:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve...:

Minha foto

Olá! Sou Marcio Lima, filósofo e poeta. Trabalho como professor de Sociologia nas redes públicas de Goiás e do DF. 

Em meus textos se encontram várias facetas de mim mesmo, do mundo que me rodeia, do outro e da experiência da transcendência que transforma. 

Teça seu comentário!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Concursos